acompanhar

quinta-feira, 25 de março de 2010

Protótipo de mais um livro que estou escrevendo


Envelhecer é uma merda mesmo. Que bom que serei privado de toda essa decadência, que gruda em minhas esquinas apenas esperando para me tocar. No fim das contas acho que você está me fazendo um favor – um mórbido favor é verdade – mas um favor que não poderei pagar nunca, até porque estarei morto.

Dizem que sua vida passa diante de seus olhos quando você está prestes a morrer. É mentira. O que me lembro é que... Não sei se dei descarga ou não no banheiro, engraçado, não? Estou prestes a deixar de existir nesse mundo e o que me preocupa é se tem merda e mijo em minha privada, a vida é sarcástica, doente e sã, porém sabe o que somos? Sabe o que porra nós somos? Perdão pelo palavrão, mas se tornou necessário. Somos... Eu não sei o que nós somos, será que todo mundo tenta ser filosofo na hora da morte? Eu só queria saber se minha privada está limpa.

- Do que você tem medo?

- De você.

- Mais por quê? Eu não consigo entender, sempre fomos amigos.

Você sempre foi melhor do que eu. Eu sempre tive medo disso, de ficar para trás, de não conseguir ser como você “especial”.